Bolsonaro coloca general para comandar gabinete de crise contra coronavírus


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) instituiu um gabinete de crise para administrar a crise derivada da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). O decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União, divulgada na noite desta segunda-feira (16).
O comitê será coordenado pelo ministro-chefe da Casa Civil, o general Walter Braga Netto, que terá direito a um voto de desempate nas deliberações do grupo e poderá designar quais ministros, integrantes dos poderes Legislativo e Judiciário, autoridades públicas e especialistas serão ouvidos. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), também fará parte do grupo, mas sem os mesmos poderes.
O número dois do comitê será um auxiliar de Braga Netto, Heitor Freire de Abreu, que é subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil.
Na prática, o gabinete será um comitê integrado por representantes de ministérios, empresas públicas e agências reguladoras. Pelas redes sociais, Bolsonaro afirmou que o comitê foi criado para "monitorar os efeitos da COVID-19 e desenvolver mais ações de combate ao vírus". 
Além de Saúde e Casa Civil, as outras pastas representadas serão Justiça e Segurança Pública; Defesa; Relações Exteriores; Economia; Cidadania; Mulher, Família e Direitos Humanos; Secretaria-Geral da Presidência; Secretaria de Governo; Gabinete de Segurança Institucional (GSI); Advocacia-Geral da União (AGU), Controladoria-Geral da União (CGU) e do Banco Central.
As demais vagas serão preenchidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pelo Banco do Brasil, pela Caixa Econômica Federal e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Críticas
Nos últimos idas, o presidente Jair Bolsonaro foi criticado por chefes de outros poderes e autoridades pela forma como vem lidando com a pandemia do novo coronavírus. O ápice das queixas aconteceu depois de o presidente comparecer a uma manifestação a seu favor em Brasília e cumprimentar apoiadores presentes. As recomendações do Ministério da Saúde incluíam evitar aglomerações.
Após o acontecido, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que Bolsonaro faz "pouco caso" da crise, enquanto o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), cobrou "responsabilidade" de Bolsonaro. 
Nesta segunda-feira (16), o governador de São Paulo João Doria (PSDB) afirmou, em entrevista exclusiva à CNN Brasil, que o presidente da República dá "péssimo exemplo" ao conduzir a situação.
Por outro lado, algumas das mesmas autoridades vinham elogiando o ministro Luiz Henrique Mandetta, que até este momento vinha sendo o principal porta-voz do governo sobre a crise. “Diferentemente do governo Bolsonaro, Mandetta tem sido extremamente correto”, disse Doria, na mesma entrevista.
"Saiam às ruas"
Após as críticas dos presidentes da Câmara e do Senado, o presidente Jair Bolsonaro desafiou Maia e Alcolumbre a "saírem às ruas". 
Segundo o presidente, a sua decisão de cumprimentar manifestantes em Brasília foi para "conferir o que estava acontecendo" e reiterou que a sua posição era a de evitar os protestos, por temer risco às pessoas idosas e demais grupos de risco. No entanto, fez uma ponderação de que há outras aglomerações no dia a dia dos brasileiros, como transporte público e festejos de Carnaval.
FONTE: CNN BRASIL

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.