China não relatou novas infecções locais pela primeira vez


China não registrou novos casos de coronavírus transmitidos localmente pela primeira vez desde o início da pandemia, marcando um importante ponto de virada na batalha global para conter o Covid-19.
Em uma coletiva de imprensa na manhã de quinta-feira, funcionários da Comissão Nacional de Saúde da China anunciaram apenas 34 casos novos nas últimas 24 horas - todos importados do exterior - e oito novas mortes, todos em Hubei, província onde o vírus estava infectado. primeiro identificado. Não houve novos casos relatados em Hubei na quarta-feira.
O marco provavelmente será considerado uma prova do sucesso contínuo dos amplos esforços de cima para baixo da China para controlar o vírus, apesar das alegações persistentes de que as autoridades locais lidaram mal com o surto inicial . Apenas no mês passado, a China continental registrava milhares de novos casos todos os dias e era considerada a área de infecção de maior risco no mundo.
    Nas semanas que se seguiram à disseminação precoce do vírus, o governo adotou medidas draconianas de quarentena e restrições rígidas de viagem que afetam centenas de milhões de cidadãos. Em algumas cidades atingidas, os moradores não conseguem deixar seus apartamentos há mais de um mês, enquanto o transporte entre os principais centros populacionais foi limitado ou interrompido por completo.
    A natureza sem precedentes das medidas exigiu um preço alto, no entanto, tanto nos muitos milhões de chineses comuns forçados a suportar a vida sob bloqueio como na economia do país, que sofreu um declínio acentuado nas últimas semanas.

    Além da China

    À medida que o perigo diminui na China, a taxa de infecção global continua a se acelerar, com países em vários continentes agora enfrentando surtos de rápida expansão.
    Na quinta-feira à tarde, o vírus havia infectado mais de 218.800 pessoas em todo o mundo, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, que acompanha os casos relatados pela Organização Mundial da Saúde e por outras fontes. Isso é mais do que o dobro do total de duas semanas atrás.
    Em resposta ao surto, países democráticos, incluindo Itália, França e Filipinas, adotaram políticas semelhantes às observadas na China, colocando milhões sob bloqueio total ou parcial.
    Em resposta à crise global e com o surto em casa cada vez mais sob controle, Pequim começou a enviar assistência e suprimentos no exterior para países fortemente afetados pela pandemia.
    Na quarta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da França anunciou que recebeu cerca de um milhão de máscaras do governo chinês. Equipes médicas e suprimentos da China também foram enviados para a Itália, que já viu quase 3.000 mortes pelo vírus.
    Ao mesmo tempo, à luz da disseminação mundial do vírus, o governo chinês está agora escalando rapidamente as medidas de quarentena nas chegadas internacionais para evitar novos surtos.
    O governo municipal de Pequim anunciou na mídia estatal na quinta-feira que todos os passageiros que chegam do exterior precisarão entrar em "quarentena coletiva em instalações designadas". Antes, os residentes de Pequim tinham permissão para se colocar em quarentena em suas próprias casas.
    Na cidade semi-autônoma chinesa de Hong Kong, dezenas de novos casos foram confirmados nos últimos dias, com os retornados da Europa e dos EUA criando uma segunda onda de infecções.
    Na terça-feira, o governo da cidade emitiu um aviso vermelho para todos os países estrangeiros, exigindo que qualquer pessoa que chegasse do exterior passasse por uma quarentena residencial de 14 dias.
    Os casos recém-importados chegam em um momento ruim para o governo chinês, que tenta reiniciar a economia do país.
      Novos dados econômicos divulgados na segunda-feira mostraram que a economia chinesa foi severamente afetada pelo surto de coronavírus, com as vendas no varejo despencando 20,5% em comparação com o ano anterior, segundo o National Bureau of Statistics.
      Ao mesmo tempo, a produção industrial também caiu 13,5% no mesmo período, enquanto o investimento em ativos fixos caiu 24,5%.
      FONTE: CNN Internacional

      Nenhum comentário

      Tecnologia do Blogger.